quinta-feira, março 26, 2009

Ser um homem feminino não fere o meu lado masculino

Então que não se fala em outra coisa a não ser no teste da Revista Época que determina se seu cérebro é masculino ou feminino.

Aqui no trabalho, isso rolou o dia inteiro. E óbvio que as gracinhas de héteros são as mais sem-graça do mundo - coisas do tipo "eu sou mais homem, você é mulherzinha" e por aí vai. O Glam, aliás, não perdeu tempo e já montou sua versão biba.

Claro que essas teorias não têm a menor validade científica e são fruto de algum desocupado que cria um estudo a fim de causar pelo mundo. Imagina se em 20 perguntas soltas e tendenciosas ("Você canta afinado?" é foda) definiram o sexo do seu cérebro, algo tão biologicamente complicado...

O mais divertido é que rodando as perguntas em emails para os amigos gays, as repostas pra algumas questões são iguais: "Você subia em árvore o mais alto possível?" ou "adorava brincadeiras que fingia ser outra pessoa ou personagem". Nem preciso comentar, não é?

Já a "Quando criança, gostava de esportes?" deveria vir com ressalvas, já que a maioria das mulheres não têm muita habilidade esportiva e o "não" implicaria em uma certa feminilidade. Afinal, aulas de handebol, equitação e ginástica olímpica são tão gays, mas tão gays que o cérebro deveria disparar pro lado vermelho.

1 comentário:

Daniel disse...

Pois é, eu arrasava na patinação no gelo!