sexta-feira, junho 01, 2007

Back in the game

Praquelas que estavam (e estão, diga-se) agourando a edição da Parada de SP da X Demente, aqui tem link pra noticia do próprio site da Pacha.

É incrível como a X tem a capacidade de mexer com as bees.
Talvez por ter marcado época, talvez por ter sido a primeira com esse gay way of life que hoje nós vivemos - responsável por nos colocar em pé de igualdade com outras grandes cidades do mundo -, talvez por ainda ser uma das circuit parties mais famosas do globo, talvez por ter se tornado parâmetro pra tudo o que veio depois.

Só sei que sempre dá o que falar, bem ou mal.
Eu torço especialmente por essa que está vindo, já que as edições mais recentes foram irreparáveis, pra que se cale de vez a boca dessa gente que só quer Vip de festeenha dos amigos sem profissionalismo e, por isso, torce pra que as outras se dêem mal.
Aliás, vale dizer que erros todas elas cometem e a X já teve sua fase obscura.

Engraçado como mexe com o brio do carioca, né?
Nunca tivemos grandes clubs e essa festa é uma das grandes marcas da cidade e continua, logicamente, sendo um grande evento pra todo mundo.
E olha que não sou (nem de longe) herdeiro das edições da ValDemente - nessa época eu era uma pequena criança.

Mas guardo momentos ótimos. Lembro, aliás, do meu primeiro flyer de festa gay que peguei na vida.
Era uma edição do Mercado Mundo Mix num shopping novo do Rio. Ainda não freqüentava nada, apenas raves e Bunker, estava começando a entrar no mundo da música eletrônica e ainda nem pensava em sair do armário, mas adorava pegar flyers interessantes e diferentes.

Tempos depois, já freqüentador - e fervido-, o achei perdido numa gaveta. Edição na Marina, azul e roxo, com uma imagem de um mar e um barquinho no canto.
Na mesma hora me veio a história de onde peguei aquilo...

Lembro também de edições fantásticas como a festa de 10 anos - lembram dos balões caindo do céu com presentes dentro (eu ganhei uma camiseta uó e um café-da-manhã no Marina Palace que passei pra um casal de amigos, namorados naquela época), da bateria da Grande Rio, de um pote de cânfora by Mundo Verde?!

E aquela do Junior Vasquez, há pouco tempo, que o basfond antecipado era tanto que as beeshas estavam alucinadas no caldeirão! Até um suposto aquário pra véia disseram que teria...
No final, só lembro daquela performer de NY se sacudindo horrorez no queijo, com um pisca-pisca vermelho na boca, ao som de Took My Life.

Tantas emoções...
Minha primeira viagem foi na Marina.
As primeiras pegações divertidas - gringos, amigos, desconhecidos - foram na Fundição (E que o namorado não leia essa frase... kkkk...te amo, mô).
A primeira festa das minhas amigas fag hags, as músicas, o som errado do Marcos Morcef, os coelhinhos de pelúcia na Páscoa, Ana Paula abrindo a pista, as bees penduradas no cubo, o visual do terraço...

Claro, sem esquecer aquela edição luxo da X com Ultralounge no Reveillon da Miss Kittin.
As barbies muito doidas subindo na grua de iluminação, um monte de homem sem camisa, a phopha tocando Frank Sinatra...is dead e eu com olhão arregalado: ihhh...essa foi a minha primeira grande festa gay.

Ai, ai, acho que eu tô ficando velho. Tão sentimental, tão saudosista... e isso tudo pra falar de uma festa que ainda nem aconteceu.
Acho que foi a minha visita ao asilo hoje (história pra outro post, queridos).

De certo só sabemos que a X demente vem tentando recuperar seus elogios, embalada pelas comparações e as muitas opções que surgem a cada dia. É esperar pra ver.

---

Ah, não sei de quando é o tal flyer, depois disso eu já mudei de casa duas vezes, mas talvez ele ainda exista em algum lugar além da memória.

4 comentários:

Namorado disse...

Meu amor, vi, li e adorei.
Todos nós temos nossa história. A sua foi linda, agora, a nossa é muito mais!
Bjo e te amo também!
Que venham todas as "nossas X" e todas as "nossas maravilhosas histórias" delas!

Ahaza!

Lindinalva Zborowska disse...

chamar a x-demente de umas das mais famosas cirquit-parties do mundo... muita calma nessa hora, fio!! a x-demente é ou foi bacana, mas chega lá não. o Fábio tá ainda dormindo sobre os louros da vitória enquanto tem muita gente batalhando e produzindo festa bacana. Vamos ver se na Pacha a X sai da UTI, ou morre de vez. Sö depende do Fábio Monteiro mostrar trabalho. Um beijo e me liga!!

Estefanio disse...

Eu lembro dos papinhos sentados no queijo com o Morcerf tocando, a Kevin Aviance dublando Took my life, A véia Vasquez dando pití pq o som gongou, deve ter gritado: paizinho de 3° mundo, sabia q nao era pra eu vir pra esse lugar, daki a poko um macaco entrar aki e rouba meu case!
Muita lembranças dessa festa!

introspective disse...

E olha que vc já chegou tarde. Miss Kittin foi sua primeira grande X; pra mim, foi uma das ÚLTIMAS grandes X. Boa mesmo ela era qdo eu comecei a ir, em 2000... o filé mignon dela foi entre 2000 e 2002, na minha opinião. O Careca e o Papagaio eram residentes foderosos, tocavam um som incrível, progressive, tech house, deep house... a X ainda não tinha a AP tocando bate-cabelo.

Eu tb tenho uma ligação afetiva fortíssima com a X, muita coisa nela me marcou, ca-laro que tb foi meu primeiro colocón, meu primeiro isso e aquilo, e tenho um carinho enorme pela festa (embora para mim as referências e os hinos não sejam os mesmos que para vc). Mas sou obrigado a concordar que o Fabinho dormiu em cima dos louros, aí veio a concorrência (que nem é tão brilhante assim) e crau.

Conhecendo o Pacha e os DJs q ele vai trazer, acho q essa X tem tudo pra ser bonita. Mas ele precisa fazer mais. Isso é só o (re)começo.