quinta-feira, fevereiro 07, 2008

Balanço Final

Gente, que Carnaval do basfond foi esse?!
Teve Beija-Flor Bi-Campeã com Salgueiro vice (tá vendo que eu sou pé quente, né?), teve chuva, teve festa cancelada, teve porrada no Sul, teve bloco, teve Banda, teve samba, teve Offer, teve o sucesso de Floripa.

Tá certo que meu Carnaval foi beeem mais calmo do que os dos últimos anos, mas dessa vez curti meus amigos como em nenhum outro antes.

Confesso que foi bem mais saudável, do jeito que eu queria, mas ainda tô me recuperando.

Vamos ao resumão:

Peter @ The Week

O bonde das bunita crescia a cada hora. Foi só dar uma passadinha no eixo Farme-Banda de Ipanema que mais gente se juntava, todos animadíssimos pra se jogar na noite. Quando finalmente estávamos prontos, mais uma amiga aparece bêbada e com fogo na bacurinha pra conhecer a buatchi. E lá fomos nós, carregando, além das bibas, 4 mocinhas rachas - duas frequentadoras assíduas e duas estreiantes de The Week.

O medo do babado e confusão na porta era grande - afinal, muita gente estaria lá e, como se não bastasse, 3 pessoas do bonde das bunita estavam sem convites - mas quando chegamos vimos qual é a verdadeira diferença daquela casa para as outras: os erros são devidamente corrigidos e o cliente é certamente respeitado - nenhuma confusão, filas controladas e seguranças que organizavam tudo exatamente como deveria ser.

Claro que a entrada triunfal com Tony é sempre um capítulo à parte e em poucos minutos já estávamos dando pinta na area VIP - mais conhecida como camarote da Brahma, por causa daqueles janelões babadeiros de frente pra pista.

O som de Pacheco na Docas era delicioso. E Peter, claro, é sempre o mestre. Sabe todos os exatos momentos da pista e ainda tocou Toy Soldier (não sei se a versão é dele, mas eu me acabei na Britney). E fez questão de fechar a noite - ordem é ordem.

Dava gosto ver a pista bombando daquele jeito.

Offer @ Bitch

Olha. Se me perguntam como foi a festa, eu respondo: "O que exatamente você quer saber? Sobre a festa ou sobre o Offer?"
Fizemos o que previ: chegamos e saímos exatamente juntos de Offer Nissim.
Offer é uma diva. Daqueles que não precisam de nenhuma cantora dos anos 90, ele faz um show próprio. E depois que contaram que a bee tocou extremamente bicuda em Floripa por causa do ônibus / avião / engarrafamento, aqui no Rio ela tirou a noite pra bater muito cabelo.

O DJ entrou às 2:30 e pelas duas horas seguintes foi um verdadeiro show. Certeza que ele traz na bagagem um CD chamado Brazil I, põe na picape e aperta o play.
E dá-se o espetáculo.

Durante todo esse tempo, sequer tocou nos fones de ouvido - era só bateção de cabelo, pinta, dancinhas divertidíssimas e hits que não deixam a gente ficar parado um segundo. Teve até beesha uó invadindo o palco, agarrando o dj e o segurança jogando a loka de volta na platéia - se Madonna não vem, Offer vem. Tudo isso com uma iluminação fantástica e um palco com um quê de Daft Punk.

Às 4:30 da manhã, Offer trocou de cd - dessa vez, Brazil II - e aí sim, começou a tocar. Por uma hora ouvimos o que ele entende de house music, com algumas novidades da case e a evidente influência do patrão. Como no ano passsado, essa é a hora que a pista dá uma esvaziada (as popopós acham chato quando não dá pra dublar) e só assim conseguimos curtir um lado diferente do cara (que a produção da Bitch não permite, diga-se).
Detalhe pro momento lambada com a versão de Chorando se foi (lembra?). Às 5:30, tocou dois hits e fechou a noite com Alone, claro. A massa ficou louca.
(E essa foi a deixa pra que nós mirassemos a porta de saída e batessemos em retirada, nem um minuto a mais.)

Tipo...podem reclamar, mas todo mundo sabe que é assim, né? E eu não estou falando mal, muito pelo contrário. A proposta é essa e como não é a minha primeira vez - sei até as dacinhas da diva -, a única obrigação é me divertir com Offer Nisim.
E digo que foi muito bom.

Já da festa eu não posso falar o mesmo. Pra mim, o nome Bitch deveria mudar pra Circo dos Horrores, tamanha a quantidade de monstros e coisas horríveis com as quais você esbarra. Desde amapô fantasiada de índio até quaquás com cordões e saias brilhantes de material indecifrável, passando pela imensa quantidade de D&G e Armani do Saara/25, tudo é um evento.
E nada é divertido, muito pelo contrário.
Muita gente (como o blogueiro Alê Bessa) ficou barrado na porta porque a empresa que vendeu os ingressos pela internet não estava mais lá - e a produção da festa não se responsabilizou pelo fato; o banheiro era um lamaçal absurdo e nojento, com poças de um palmo de altura; a fila do feminino dava voltas; o bar não vendia mais cerveja pois estava quente; os demais DJs tocaram tamborim e NoNoNoBambino (nas palavras de Estefanio, que não aguentou nem mais uma hora por lá).
E o pior: na porta, quando cheguei, o preço do ingresso batia os inacreditáveis R$ 140,00 - absurdo pra estrutura vergonhosa que foi oferecida.
Fato que esse circo, além de ser dos horrores, é muito mambembe.

Enjoy @ Roda
Pacheco e Isaac Escalante @ TW

Estávamos animadíssimos pra edição da Enjoy na Roda Skol. Tentamos rodar na roda, mas foi em vão: chegamos um pouco depois das onze da noite e os ingressos estavam esgotados.
Muita gente perdida, muitos HTs na porta e muita bee frustrada.
Acontece que os ingressos da Roda eram os da Enjoy - e vice-versa. Não havia separação e muita gente (velhinhos, pais de familia, casais de namorados) entravam, rodavam e saíam - não estavam interessados no que acontecia nas tendas, claro.

A solução foi partir pro Felice, fazer um esquenta informal e não combinado, e de lá curtir a noitada da The Week. A buatchi estava cheia, na medida. E depois de muita reclamação, parece que acertaram a mão: a area Vip parecia encontro de comadre, só figurinha conhecida.

No som, Pachecão, dessa vez, comandava com maestreza a pista principal. Indiscutivelmente, o melhor DJ brasileiro. Eu não conhecia o som do Isaac - das outras vezes, ou fui embora antes ou não curti como deveria - mas achei o DJ incrível, como todo mundo já dizia. Adorei a versão de Apologize, adorei ouvir I feel love, adorei ver o astral do cara, que parecia brincar de tocar, tamanha a diversão.

Saímos de alma lavada e com mais um topDJ imperdível na lista.

X Demente

A XD deu mais um tiro no pé nesse Carnaval.
Que a festa tivesse sido cancelada por falta de alvará, acontece. Que tivesse mudado de lugar na noite de terça-feira, também acontece. Mas mudar pra quarta, trocar o lugar (se fosse pra trocar de lugar, pra que trocar a data?) e ainda assim sem avisos oficiais com antecedência razoável, é inadmissível.
Os dois avisos do site somente foram ao ar por volta da meia-noite de ontem e anteontem, o que é completamente desrespeitoso com quem acompanha a festa.

E eu, que tinha convites antecipados nas mãos, resolvi apenas sair na noite de quarta-feira pra encontrar, beber e me divertir com os amigos no Leblon.

Não sei se a festa encheu, não sei se ficou às moscas. Mas o descaso, o cansaço e o fato do namorado ter que trabalhar hoje foram importantíssimos pra nossa decisão, apesar dos DJs incríveis que eu gostaria muito de ter visto.

Agora é esperar pela novela da troca de ingressos.
Ou do processo em cima da produção, o que vier primeiro.

---

Cara, não acredito que até o Carnaval já passou.
Agora é dar uma diminuída na velocidade do créu porque além de um ou outro feriado que vem por aí, no calendário gay daqui a pouquíssimo tempo a parada de SP já chega chegando.

E o meu ano só começa na segunda-feira.
Até lá, vou curtindo a ressaca.

---

E a frase do Caranaval foi ouvida na Banda de Ipanema, de uma amapô pra uma bee fantasiadíssima:

Abala, bicha!

7 comentários:

CARIOCA VIRTUAL disse...

E A PERGUNTA QUE NÃO SE CALA JAMAIS:

QUANDO VAMOS NOS CONHECER, PÔ!!!???

beijos

ebortolotti disse...

oi gatinho...
tenho uma coisa pra lhe falar da noite do isaac...
ele e um dos meus melhores amigos, toda vez q ele vem eu vou atras dele...
o vibe ali na cabine, com ele e seus dois amigos do mexico era tão maravilhoso q nem beber alcool eu tinha vontade...
fiquei so na agua e umas duas dosezinhas de vodcka e fiquei bem louco...
quero isaac aqui todo mes !!!

Anónimo disse...

O que é chegar nos lugares com Tony&Oscar????
ABRE TE SÉSAMO!!!!!!!

Clebs disse...

passei para dar um alô. Esse Carnaval , para mim, foi super esquizistranho.

mal humor corre solto por aqui... aff!

bissous!

Too-Tsie disse...

Gostei do resumão, it's all about quality time!
Eu cada vez mais me simpatizo com o carnaval, ver o esforço de milhares de pessoas pra fazer bonito, e realmente, os desfiles do Rio estão anos luz à frente daqui, um dia acho que a gente chega lá.
Ah, meu créu pós carnaval está na velô 3.

introspective disse...

Oi phopho! Adouro os seus resumos, vc sabe, né?!

Três cositas: eu teria ficado muito puto se tivesse decidido ir pro Rio só pra andar na Roda Skol, e tivesse dado com a cara na porta assim. O mesmo para a X, ficamos todos com pena quando soubemos do harakiri que o Fabinho fez consigo e com sua marca. E, pra terminar, o Isaac estava inspirado mesmo, hein? Em Floripa foi igual, todo mundo achou o set dele o melhor da temporada. E ele é mais fofo que o Peter!

Um beijo (e agora vc vai morrerrrr de saudades, pois infelizmente terei que colocar o Rio na geladeira por uns bons meses).

Alberto Pereira Jr. disse...

ótimo post!
e eu juro que ano q vem eu vou curtir um carnaval gay (o primeiro da minha existência).. fiquei em SP.. e fui ao cinema, só..
meu ano ainda não começou.. hehe

adooooro