quarta-feira, maio 28, 2008

As Noites

Agora vamos ao que interessa.

The Week’s Angels Visit Pacha

A noite começou confusa. Depois de passarmos no Ritz, seguimos pro clube mais longe do mundo(dessa vez, pelo menos, a gente já sabia o que significava Ceagesp...) Chegamos um pouco depois das 2 e já recebíamos informações de que a entrada estava dramática. Não deu outra: três enormes filas, muito empurra-empurra e 50 minutos depois, conseguimos entrar no club jet-setter paulistano.

Olha, na boa... a casa é incrível, tem uma ambientação fenomenal, uma ótima infra-estrutura... mas não pra uma noite abarrotada como esta, em plena Parada. Se no ano passado a casa, ocupada pela falecida X, foi considerada a melhor noite da temporada, este ano deixou muito a desejar. Sente o problema: primeiro, uma aglomeração interminável, controlada por seguranças mal treinados. Havia plaquinhas que indicavam filas de ingressos antecipados e filas pra bilheteria – e, pasme!, de absolutamente nada serviam, pois em qualquer uma que você entrasse não havia diferença. Depois, vários caixas com filas enormes, onde você daria seus dados e pegaria a comanda. Pra quem já tinha cadastro na casa, como no meu caso, a demora era de menos de 30 segundos. Já quem não tinha, empacava a fila fornecendo ficha completa, nome, telefone, email e afins, provavelmente apenas pra constar no mailing da boate.
O mais absurdo ainda estava por vir. Apenas dois – eu disse dois – seguranças pra revistar aquele bando de gente, o que formava mais uma fila. Ou seja, três filas gigantes e cada uma só andava quando a próxima diminuía. Impossível achar que o povo não se revoltaria, vaiaria, xingaria e começaria a gritar palavras como "vergonha! vergonha!". Na boa, me lembrou a entrada de festas na Fundição Progresso...

Cabe dizer que se a TW quer mesmo continuar com a parceria com o grupo Pacha-Sirena, precisa rever seus conceitos. Ficou claro que o clube mauricinho não segura a pressão desse tipo de público, ainda mais nessa época. Se ainda fosse um final de semana comum, quem sabe. Mas o que se viu foram banheiros imundos, bares alagados, serviço lento, preços elevadíssimos, pista quente, chapelaria com fila, falta de táxi na saída da casa... Nada que lembrasse a edição da Parada do ano passado e muito menos que chegasse aos pés do "padrão TW de qualidade". Na próxima, sugiro que carreguem todo o staff da casa da Lapa, não só os DJs.

Superado esse problema, a festa estava redonda. O som do DJ Paulo não impressionou e os Angels mostraram que não precisavam de qualquer companhia naquela noite.
Ainda assim, o povo se jogou com força.

O ponto alto foi mais uma vez o banheirón feminino, que fazia a gente se sentir no Mediterrâneo. Ficamos horas papeando, encontrando as ameega, vendo as bunita. Até que uma bissinha chata sentou na pia e ficou gritando "Você não se vende? Eu me vendo por 100 reais...hihihihi" com uma voz de gralha que doía os ouvidos. Voltamos pra pista e de lá pro hotel, com a sensação de dever cumprido e a vontade de mais e mais e mais.

Toy @ The Week

Sexta fomos recebidos com toda a pompa pelo casal mais querido do mun-do, Tony & Oscar, na famosa Maison Lorena pro chill in mais babadex de SP. Depois de muitas bebidinhas, muitos bafos, muita conversa e muitos amigos, seguimos pra The Week, animadíssimos pra curtir o set do DJ Chris Cox.

A primeira impressão: a casa estava absurdamente linda! Não só pela nova estrutura metálica, vulgo Arcos do Triunfo como diria Lindinalva, mas a decoração era incrível. Se a arte de Romero Britto é um tanto quanto questionável, funcionou perfeitamente na ambientação da boate num trabalho lindíssimo da Perverts. A tela de leds atrás do DJ, então, era um show a parte.

Chris Cox comandou a pista como sempre faz e misturou hits antigos com novos sucessos, levando o povo ao delírio. Não dava pra parar de dançar um só minuto.

Só conto que nessa noite, baixou uma galinha cocoricó no meio da pista, menina. Ela ficava empoleirada, grunhia, mas não saía do lugar. Diz que tomou alguma coisa que não fez bem, daí esse revertério. E o resto é história...

Babylon @ The Week

A decoração não estava tão incrível como no dia anterior, mas o clube continuava lindo. Dessa vez, com um toldo enorme na tal estrutura metálica e muitas performances de vários artistas. Ficamos ali, na área externa, tomando fôlego e disposição pra enfrentarmos a multidão da pista principal. E até que foi bem mais fácil do que eu imaginei...
Sabe que senti uma grande diferença dos outros anos? Antes, o povo se dividia nitidamente entre paulistas e cariocas, com alguns clãs do sul, Brasília e BH. Hoje, a misturada é muito mais forte. Impossível ver uma área apenas de cariocas, como sempre acontecia, principalmente nas grandes festas da TW SP. Tem gente do Nordeste, interior e muitos gringos. E se muitos cariocas se aposentaram, outros já surgiram no circuito. Aliás, ano que vem eu darei a idéia da minha academia patrocinar o evento - afinal, todomundo estava lá...
Fato que a Parada já é tão globalizada quanto o Carnaval.

Voltando à festa, os ingressos na porta chegaram a 200 reais e tudo tinha um motivo: Peter e Offer, Offer e Peter. Há meses só se falava nisso, já que seria a primeira vez em que os dois se apresentariam na mesma noite no país.

Eu achei que o Offer tocou pouco tempo. Não digo que foi ruim, porque ele é sempre divertido, mas ainda não voltou aos velhos tempos. Gostei de ouvir Billie Jean, claro, além de Madonna. Já Peter é sempre Peter. Tem uma técnica incrível e sabe exatamente o que fazer em cada segundo que está na cabine.... Continua sendo o meu DJ favorito.
Mas o ponto alto da noite foi de dia: a versão de Tocame com We Belong Together é o máximo! E ali, com o sol incrível num lindo céu azul, à beira da piscina, cercado de amigos, no último dia da Parada... não tem como não classificar esse momento como algo inesquecível.

---

As festas foram maravilhosas e isso ninguém pode dizer ao contrário. Faltou disposição pra enfrentar os chill outs, afters, outros clubes e pool parties – principalmente a GiraSol, tão bem falada pelas bees. Mas não houve qualquer arrependimento. Curtimos na medida certa, na proporção exata, nem mais e nem menos. Talvez não teríamos aproveitado tanto as coisas boas que surgiram – os amigos, os momentos, os lugares – se o pé tivesse ido mais fundo na jaca. A idade nos traz alguma sabedoria, é verdade... Deu até tempo de dormir, acredita?

Como esse foi praticamente o último feriado do ano e a Parada do Rio ainda está longe, a gente entra em processo de recuperação por tempo indeterminado.
Valeu muito e que venham as próximas festas.

Começa agora aquele período chato até o Reveillon.

7 comentários:

introspective disse...

Não tem jeito, Gui... a cena atingiu um porte tão mega que é absolutamente impossível aproveitar todas as coisas legais. O segredo é montar um esqueminha agradável com um pouco de tudo, viver intensamente o que puder, e aceitar a nossa impotência para não viver o resto.

Eu fui à GiraSol, mas perdi o Isaac, a Nova Pool Party (há quem diga que foi ainda melhor), os afters, a 269, a Oscar Freire, a Parada em si... e mesmo assim, foi o máximo meu feriado. Melhor Parada ever. E os amigos tiveram um papel importante nisso, você incluído. Adoro vc.

E esse período longo e chato até o Réveillon é necessário, assim dá tempo de preparar o corpo até lá!

Lindinalva Zborowska disse...

E no esquenta de sua realeza... nem conversamos... MA-GO-EI!!! E cheguei em todas as festas entre mei-noite e meia-noite e meia. Não peguei nenhuma fila, não fiquei bicuda, não pisaram no meu pé!! Aí que eu não reclamei de nada. Chegar em horário bom, é de bom tom!! Um beijo e me liga qdo vier a sp de novo.

Clebs disse...

.... já de noite, foi hardcore.
Já tentei me informar por fora sobre alguns babados...

Vamos marcar algo do tipo depois que vc se recuperar e eu voltar a minha cor normal?

hehehhe

Abração!

Too-Tsie disse...

Com a quantidade de coisas acontencendo, imagino que deve ter sido difícil escolher.

Mas aproveitou de montão, eu também observo muito as coisas estranhas ao redor, no mínimo eu ia rir muito, tem gente sem noção do ridículo.

O meu feriadão se resumiu numa feijoada, fazer o que né? hihihi

Leo Lazzini disse...

...

Leo Lazzini disse...

(huahauha brincadeira)

Dhan Marcell disse...

Foi tudo MARA em SP!! Só pessoas lindas, lugares maravilhosos e intensos momentos que passamos Vc , Wel e Eu!! Ano q vem, claro q estaremos lá de novo!!