sexta-feira, dezembro 05, 2008

Fazer a Ninja

Aqui no Rio, quando você escapa de uma roubada ou dá um sumiço daqueles, o povo diz que você deu um ninja. Pois bem, chegou a minha vez.

Na empresa é bem comum viajarmos pra atender o cliente (ui!) em vários lugares do país. São Paulo, Curitiba, Vitória, Floripa e Salvador até fazem parte da rota, mas são raridades, uma vez que as capitais maiores – e melhores, diga-se – possuem filiais que acabam resolvendo os problemas.
Mas como a referência de boa parte do país, principalmente do Norte, ainda é o Rio, muitas viagens acabam sobrando mais pra cá do que pra Sampa, apesar da capital paulistana ter um escritório bem maior.

Como passei um tempo enorme num cliente aqui na cidade, não sofri muito e acabei visitando apenas Goiânia e BH. E não posso reclamar diante dos lugares especiais que sempre surgem: Macapá, Cuiabá, Mossoró, Rio Branco... Dessa vez eu escapei elegantemente de uma pedreira: Manaus. Usei minhas provas do curso como desculpa – todas com datas flexíveis, mas isso ninguém precisa saber, né? – e mandei o trainee no meu lugar.

Não que eu ache que a cidade seja ruim, muito pelo contrário. Morro de curiosidade pra conhecer. Tirando o trânsito, que dizem ser um dos piores do país, já ouvi muitos elogios... Mas vamos combinar: dezembro, calor, véspera de Natal, muito trabalho...não dá! E o pior: tradicionalmente, rola ficar no Tropical e curtir o mini zoológico. Dessa vez, o destino era um Comfort no Distrito Industrial. Ou seja: o horror!

Quem sabe qualquer dia eu não faço um Cruzeiro pelo Rio Amazonas?

2 comentários:

Alexandre Lucas disse...

Faz a águia, bee!

introspective disse...

Eu já sou diferente de vc nesse aspecto: topo as viagens de trabalho numa boa, acho ótimo ter a chance de fazer um test drive num lugar novo sem ter que colocar a mão no bolso. Se bem que as minhas viagens de trabalho, tirando comarcas do interior que não contam, só teve filé mignon: Salvador, Curitiba, Vitória. Só peguei osso uma vez: Teresina. E foi osso meeeesmo.