terça-feira, março 03, 2009

Giriasíssimas Soltas Que Moram Longe

Todo mundo sabe que as bees são mestres na arte de inventar gírias. De tempos em tempos vem alguma palavra ou frase de efeito e de repente o mundo gay in-tei-ro está repetindo aquilo. Até dialeto próprio, o pajubá, o meio utiliza, mas que já deixou de ser gíria pra virar vocabulário do dia-a-dia.

Tradicionalmente, o povo da moda é um dos maiores inventores de novas gírias. Érika Palomino e seu uó que o digam. E se a TV já foi a principal origem, a internet surgiu como mais uma fonte de coisas divertidas e o Youtube só veio completar todo esse hype. Foi assim com as Las Bibas From Vizcaya e, mais recentemente, com Grace Kelly e seu perigón ou Vanessão e seus vintchy reais.

Quem não acompanha com frequência o ritmo dessas novidades, acaba se deparando apenas quando a repetição chega aos ouvidos. O Thi, que está sempre na corrreria e um pouco fora dessa confusão, já veio me perguntar sobre umas três gírias que o povo não parava de usar: o oi?, o próprio perigón e, nesse carnaval, o solto, que cabe pra tudo que não tem muito compromisso na vida. Junto com o superlativo –íssimo, a interjeição "morri!" e o “beijo no ombro” formaram as palavras mais repetidas da temporada.

Claro que como o meio é restrito e muitas palavras só chegam ao mainstream muito depois de já batidas pelos gays, alguma confusão pode acontecer. Aliás, para algumas, apenas um seleto grupo de amigos que vivenciou um momento ou uma situação consegue entendê-las, como no caso do meu “Perdi um pai!”. O foda é quando a confusão é tão grande que necessita de um post explicativo, já que se você ouvir um “fulano mora muito longe!” não é nenhum motivo pra se desesperar pensando que terá que levar a pegação em Itaguaí (muito pelo contrário, agradeça pela graça alcançada).

No mais, é rir das piadas e saber utilizar com moderação pra não acabar falando “menine” pro seu pai ou chamar sua chefe de “biscate”, né?

11 comentários:

Estefanio disse...

Pior é juntar tudo, se nao ficar esperto nao consegue pescar tipo: Minine, tomei uma balíssima solta e perdi um pai. Morri com a biscat. Beijo no ombro!

Gustavo disse...

Ai adoooooooooro novas gírias!!!

Há sempre as clássicas, mas as que saem via Las Bibas From Viscaya é DEMAIS!
Adoooooooooooro Las bibas!!!

Pakita Erotica é tendencia!

E essa coisa de mora longe e mora perto, demorei horrores para entender, porque entrei no blog do Tony, li, reli e depois li os comentarios e só depois da sua frase "(muito pelo contrário, agradeça pela graça alcançada).", é que me veio uma luz na cabeça e consegui finalmente entender...

UFA! As vezes nós bee's conseguimos ser tão complexas para entendermos umas as outras! hahahaha

Bjunda

Daniel disse...

A expressão que eu tenho ouvido muito de uns tempos pra cá é a "toda trabalhada". Apesar de não ser novidade, de repente, ela ganhou uma vida nova.

Raqgreen disse...

Huahauahuahhuahua Adorei o post solto!
E não é que já soltei o minine justamente pro meu pai.

Morri Brazil!

Too-Tsie disse...

faltou a magia cigana, abrilhanta a frase de um jeito...

Too-Tsie disse...

Ah, e outro dia vi uma discussão de quem teria inventado "beijo me liga".

Fulana bateu o pé que falou primeiro não sei aonde, bem antes daquele povinho do CQC...

Bobagem que "beijo GATA me liga" eu ouço na night desde 2001, era bem comum nas despedidas das transex ou seja, bem antes de programa, bem antes de twitter e os cambau...a antiga.

Tony Goes disse...

Beijomeliga é a gíria da modíssima em Tefé, Amazonas. A filha do Oscar que mora lá chegou no Rio falando isso sem parar. Como diz o Tcello: antenada na modernidade!

Gustavo disse...

Não resisti...

Odeioooooo essas pessoas que acham que "BeijoMeliga" é tendência de 2009... ngm merece as Amapôá!(giria, uí) achando que tão abalando achando a giria super nova HAHAHAHAHAHA

PAVINATTO disse...

Gatíssima, já tem seu exemplar do dicionário AURÉLIA?

Jack disse...

Menino, um verdadeiro perigón usar essas gírias no trabalho. Outro dia quase chamei uma mulher de "creuza" na frente da minha secretária. "O que essa creuza quer?", quase disse. Mas as gírias restritas do grupo realmente são as melhores. Tenho uma de dizer que "faço as minhas pópria coleô" que foi pinçada de uma entrevista da Tati Quebrabarraco.

Alexandre Lucas disse...

A língua, afinal, é viva =D