quarta-feira, junho 17, 2009

Pronto, passou

Agora só ano que vem... e daí a gente pergunta: vale tanta ansiedade, tanto dinheiro gasto, tantas noites mal (ou nada) dormidas, tanta alimentação ruim? Sim, vale. E muito.

Sem dúvida, essa foi a principal temporada de 2009. Tantas festas, tantas pessoas, tanta animação... a Parada de São Paulo move um mundo inteiro pra celebrar o orgulho e a vontade de ser o que você quiser.

Pra acompanhar tudo isso, a programação é cada vez mais intensa, com clubes e eventos cada vez mais profissionais e impressionantes. A disposição e a vontade foram muitas. Consegui conferir todas as festas que quis e curtir cada momento com cada pessoa que surgiu na minha vida. Mesmo sem alguns amigos por perto, muitas outras grandes e queridas figuras fizeram esse feriado de Corpus Christ ser tão completo.

Sem dúvida, as histórias são muitas, as memórias serão eternas e as boas lembranças serão impagáveis. Mas vamos ao que interessa em um resumão do que vi no Pride 2009:

Quarta-feira

Comecei o Pride calmo. Aproveitei o bom horário que cheguei na cidade e a chuva que caiu durante toda a tarde para conhecer a filial da Fórmula Academia na Rua da Consolação, antiga Master 24h, onde eu posso malhar. O espaço é ótimo e me lembrou a filial da BodyTech de Copa (sem a piscina). No caminho, bateu uma fome. E veio a indignação: São Paulo não tem casa de sucos. Tive que ir até a Paulista achar uma - e olha que a Consolação tem mais de uma academia, hein - mas que nem abacaxi tinha pra colocar no meu peito de peru com minas... Ficará rico quem criar uma rede limpa, bonita e completa de naturais na cidade.

O esquenta da Parada ficou por conta da ilustre presença de Libanesa diretamente de Dubai na Maison Lorena. Apenas por poucas horas, matando as saudades de casa, da família e dos amigos. Depois, o destino foi a primeira noite de The Week International, na festa de abertura. Quem estava acostumado com a casa não tão cheia no primeiro dia dos anos anteriores se surpreendeu com a pista lotada. Juanjo Martin fez um ótimo set e Vlad tocou versões incríveis de t-o-d-a-s as músicas que àquela altura ainda fariam a Pride ser o que foi.

Quinta-feira

Depois de uma tarde tranquila e um ótimo almoço em Moema, a quinta foi dia de uma enorme função, já que duas festas incríveis chamavam a atenção do público. A grande missão era aproveitar as duas intensamente. Antes, parada estratégica no L´Open, que bombava, para dar aquele close e fazer uma das únicas refeições da semana.

E lá fomos nós: V.I.P no Terraço Daslu foi o primeiro destino. Sem dúvida, a festa gay mais bonita que eu fui em toda a minha vida. Se já não bastasse a imponente arquitetura do local, a decoração era absurda: candelabros, velas, arranjos, mobílias... Sem contar a área vip - com direito a hostess Anna Pavinatto Wintour - de onde nem dava vontade de sair. Tudo muito fino e rico. Como era esperado, a festa foi a mais pura tradução da palavra carão - muita gente bonita, bem vestida e comportada. Mas aos poucos o povo foi se soltando, a festa foi tomando forma e ganhando ainda mais brilho. Destaque para os banheiros limpíiissimos (com lixeiras e toalheiros com o D símbolo da casa), para as atendentes que enxugavam a garrafa de água antes de entregar e para a distribuição de Häagen-Dazs. Pena não ter conseguido ver o Iordee tocar, já que o line up foi alterado.

Já era quase 4 e o novo destino nos recebia: Pacha, com a festa TOY e o DJ Tony Moran. SMSs de amigos presentes já davam conta da festa: bafo! E assim foi: pista principal absolutamente lotada, calor, suor e toda aquela interação de uma pista out of control. Mais de uma vez eu ouvi a seguinte opinião (que também foi a minha): "Bee, tá parecendo o Caldeirão da X Demente!"

Sexta-feira

O dia nem tinha começado quando paramos para repor as energias e continuar o fervo. O destino da manhã de sexta era a SoGo, nos Jardins, onde rolava a especialíssima edição somente para convidados da Festa do Rei. E a festa foi incríiivel! O clima era de amigos reunidos, convidados se divertindo, conversinhas, papos, todo mundo se conhecendo, celebração, boa música... Sem compromisso com nada, apenas com os bons momentos da vida. O tempo foi passando, passando e só saímos de lá às 4 da tarde, deixando alguns guerreiros!

E a SoGo, vale dizer, é um lugar fantástico (pelo menos agora, após a reforma). Com uma imbatível localização - eu fui a pé, mesmo sob garoa fina -, precisa apenas de uma programação forte pra ser o bafo em SP. Para after, então, é perfeito! De um espaço daqueles que precisamos no Rio, com uma pistinha do tamanho exato, um corredor animado, um bar aconchegante e um mezanino honesto (em resumo, algo como um 69 mais bonito e iluminado).

Depois de poucas horas de descanso, à noite foi de mais um fervo: Angels @ The Week. Noitezinha aparentemente mais calma que o de costume. Mads apenas aparentemente porque não faltou animação! Abel arrasou e fez um ótimo set pra uma pista lotada, onde se via os muitos grupinhos de todas as cidades do país. Saí de lá direto para os braços de Morfeu e finalmente consegui algumas horas de descanso.

Sábado

A função diurna começou com a casa de uns amigos nos Jardins: mais cariocas chegavam à cidade no início da tarde. Depois de um japa rápido, GiraSol / Matinee Group no Clube Tietê.

Nossa, que produção! Um palco enorme, muita luz, um som poderoso e dançarinos com performances e figurinos de deixar qualquer um boquiaberto. O grupo Epiphony fez uma apresentação bem meia-boca, com uma tiazinha loira fraca dublando, mas foi só J. Louis entrar para colocar fogo no puteiro com um dos melhores sets da Parada. Saí um pouquinho mais cedo - um bom motivo pra descansar - mas ao som de Real Things, da Rebeka Brown, foi um ótimo encerramento de festa.

Detalhe para uma bee que me contou no dia seguinte ter chorado horrores de emoção diante daquela vibe indescritível. Aos que perguntavam o motivo, ela dizia "Me deixa chorar!"...

Algumas horas depois: The Week de novo! Dessa vez para a clássica noite mais lotada da casa. E ele na cabine: Peter Rauhofer na Babylon / Work. Olha... o começo até que não foi grande coisa, Whateva Whateva foi umas das primeiras mas faltou vibe praquela hora (tanto que o DJ repetiu a música ao longo do set, dessa vez em um momento bem melhor), mas parou por aí. Depois, foi só perfeição. Ouvi de pessoas de vários lugares, vários sexos, várias bagagens de música eletrônica diferentes a mesma opinião: o cara arrasou. Ele estava sensacional. Um dos melhores sets dele aqui e, sem dúvida, o melhor da Parada. Na cabine desde às 3:30 da manhã até pouco depois das 11, o top DJ tocou todos os seus remixes mais bafônicos (ainda ouvi de um amigo no domingo "Lembrei de você em Say it Right!") que a gente adora ouvir na pista e que Peter não nos deixa sem. E eu, que consegui ficar bem perto da cabine em alguns momentos, vi um DJ sem estrelismos e sem o bico tão criticado há tempos. E cada vez mais brasileiro, eu digo.

Foi uma noite memorável, inesquecível e histórica.


< /Pic by Dani Brasil>

Domingo

Apesar de termos colocado o despertador para as 2 da tarde na intenção de chegar cedo e fazer fotos diurnas na Nova Pool Party / Circuit Festival, perdemos a hora - claro! - e só chegamos às 8. Pra compensar, ficamos até o final da festa. Enrico Arghentini não fez um bom set para uma festa daquela - talvez em uma pista mais pesada funcione -, mas Chris Cox lançou mão de hits (quase um bate-cabelo poderoso) e fechou a pista com Christina e todas as suas divas.

Ótimo para o encerramento da temporada, que trouxe a pertinente pergunta: onde eu pego meu certificado de conclusão do I Eterna Festival? Porque, né?, eu fui um aluno aplicado, não faltei às aulas e passei com louvor.

Mereço ou não mereço?

4 comentários:

Pavinatto disse...

COMO É QUE EU NÃO TENHO MINHAS FOTOS? KKKK

PLS, manda pro meu e-mail pessoal essa foto minha de pernas cruzadas...

Bjundas

Introspective disse...

Claro que merece! Com honra ao mérito e tudo!

Lucca Koch disse...

Tirou 10 com estrelinha da Tia!!
e qual foi a musica da parada????

Alexandre Lucas disse...

Muitos fazem o curso, mas poucos são aprovados ;)

Tb achei a área VIP da festa da Daslu a mais VIP de todas e VIP de verdade.

E o Pavi foi eleito pelo Tony com justiça a personificação do carão.